PORTUGAL NA CATALUNHA

BIBLIOTECA DA SAGRADA FAMILIA



 

“Lanzarote: a janela de José Saramago” é uma exposição fotográfica do criador português João Francisco Vilhena sobre a relação entre o Nobel de Literatura falecido em 2010 e a ilha que escolheu para viver

“Lanzarote, a janela de José Saramago” é um diário/caderno de notas sobre o olhar sensorial e apaixonado do escritor, visto e filtrado pelo olhar de um fotógrafo que em 1998 esteve em Lanzarote para retratar o literato, e que 15 anos depois regressa para capturar novas imagens e tentar captar o que aquela terra, no meio do oceano, representou para o único prémio Nobel de Literatura da língua portuguesa.

Nos seus diários sobre Lanzarote, em entrevistas e conferências, Saramago declarou o seu amor pela ilha e confessou um imaginário regresso aos lugares da infância perdida: Será nesta altura da vida Lanzarote minha Azinhaga (sua aldeia natal) recuperada?

É essa atmosfera que João Francisco Vilhena retrata e apresenta no seu trabalho.

A tranquilidade, reflectida nas palavras, a influência da paisagem, a luz e as nuvens, o mar e o silêncio, a temperatura das cores, tudo isso influenciou a escritura e a vida de Saramago, como ele mesmo reconheceu. Através de suas fotos João Vilhena busca retratar Lanzarote como uma janela aberta por Saramago, e que ao mesmo tempo abriu-se ao escritor. O lugar e sua paisagem como símbolo de uma nova fase; uma nova literatura, uma nova vida, um momento diferente de criação e do homem.

“Uma ilha, mesmo não sendo deserta, é um bom sítio para falar, é como se estivesse a dizer-nos: Não há mais nada no mundo, aproveitem antes que este resto se acabe.”

José Saramago

Biografia resumida do fotógrafo

João Vilhena nasceu em Lisboa em 1965. Trabalhou como fotojornalista e colaborou com diversos jornais e revistas, em Portugal e no exterior, como a Revista Ler, Elle, Máxima, Marie Claire, Oceanos, Visão, Der Spiegel, Le Monde entre outros.

Exerceu o cargo de editor fotográfico dos semanários O Independente e Sol, e de diretor de arte de Tabacaria, revista literária da Casa Fernando Pessoa.

Desde 1997 realizou diversas exposições – individuais e colectivas – em lugares como Frankfurt, Lisboa, Porto, Barcelona, Durbal, Dublin, Istambul, Nova Iorque, entre outros. É co-autor de dez livros de fotos, a maioria relacionados com a literatura, e está representado em colecções e galerias de Portugal e do exterior.

Para mais informações sobre seu trabalho aceder: www.polaroides-e-poemas.pt